Fala Adriana, fala

Esse texto é um apanhado de coisas diferentes que fiz nesse ano de 2019 para melhorar essa minha vida de podcaster e divulgadora científica. Tecnicamente falando, porque dinheiro nem pensar.

No primeiro semestre desse ano, fiz um curso de extensão promovido pela rádio UFRJ chamado A Pratica Radiofônica. O objetivo do curso era aprender os diferentes formatos de programas de áudio, melhorar a escrita e a locução dos participantes. E realmente a evolução da qualidade da escrita e locução de todos os participantes ao longo do tempo foi gritante.

O primeiro bloco foi sobre pílulas. Essas são textos escritos em linguagem coloquial e direta, com média de tempo de 1’. Depois de aprender como funciona na teoria, tivemos um exercício pratico de escrever e gravar uma pílula real ou fictícia. A minha ficou assim:

¿O que diferencia um ser vivo de todo o resto? Você pode dizer que
aprendeu na escola que todas as coisas vivas são compostas de
células\ ¿E você sabe o que é uma célula? É a menor unidade
do nosso corpo\ composta de água\ sais\ proteínas e açucares
circuladas por uma membrana feita de lipídeos\ que são gorduras\
Uma habilidade extraordinária das células é sua capacidade de
copiar a si mesma\ gerando duas células idênticas a primeira\
É por isso que duas células unidas podem gerar um bebê, que cresce
e vira uma pessoa\ ¿E as células são todas iguais? Não, elas variam
muito em tamanho e em formato\ Um neurônio humano é grande e lembra
uma árvore\ enquanto os lactobacilos do iogurte são pequenos e parecem um bastão\ Mas não se engane: nem o neurônio nem o lactobacilo podem ser visto a olho nu\ ou seja\ sem um microscópio\
Pilula – fecha o olho e finge que não tem imagem, só audio.

Sim, tá uma tosqueira essa primeira tentativa de gravação. Ainda mais levando em conta que eu já era host de um podcast. Acho que um fone dá pra ouvir a Ane me corrigindo. E pra piorar a tosqueira, esse site do demonho não queria carregar o áudio de jeito nenhum, procurei tutorial na internet e nada funcionou. Aparentemente só pagando e estou desempregada, ou seja, nada feito. A unica coisa que parecia funcionar era upload do youtube, então na pior das vontades, no celular mesmo, converti o .mp3 em vídeo usando o basicão do programa do celular, sem mudar nada e depois colocar no Youtube e ficou essa bosta. Minhas desculpas pela falta de cuidado.

Depois das pílulas veio o Boletim, que é um texto informativo curto que traz uma síntese das notícias mais importantes do dia. Fizemos dois exercícios, um boletim de giro de notícias escrito e um boletim de um assunto só, escrito e gravado. O giro que eu fiz foi fictício com um toque de real, pois era a época do Pint of Science, que eu fiz questão de colocar, já que estava na equipe de apoio do festival.

Bom dia/ no nosso giro de notícias / as novidades da manhã// Economia:
O dólar chegou ao valor de 4 reais e 50 centavos// É um dos valores
mais altos dessa década// Politica: As manifestações continuam tomando
as ruas do país// Manifestantes alegam que educação é importante// O
governo discorda deles// Esportes: Começam as preparações para a Copa
do Mundo de futebol feminino// Torcedores enchem o Saara em busca de
acessórios e decorações para a celebração// Cultura: Hoje começa o
festival Pint of Science/ que no Brasil deveria se chamar Litrão de
Ciência// Vários cientistas conversarão com o público presente sobre
suas pesquisas e outros assuntos ao nosso momento// Mais informações
sobre bares e palestras no site
www.pintofscience.com.br/events/riodejaneiro// 
Adriana Cabanelas falando do Rio para a Rádio UFRJ//
Talvez o bar seja um lugar onde você não espere ouvir falar de ciência/
mas o festival científico Pint of Science promove exatamente isso//
Criado na Inglaterra e que se espalhou pelo mundo inteiro/ esse ano foi
realizado em 24 países/ dos dias 20 a 22 de maio// Completamente
realizado por voluntários/  o festival chegou a 85 cidades brasileiras/
onde pesquisadores conversaram com o público sobre suas pesquisas// O
objetivo é aproximar leigos da ciência/ falando de forma livre e
descontraída e incentivando a interação do público// O nome do festival
Pint of Science vem do copo tradicional usado nos pubs ingleses// Com
temas que discutem as ciências humanas/ exatas e biológicas/ falando de
temas como arte/ museu nacional/ astronomia e canabis/ o festival teve
entrada franca e sem inscrição previa/ em bares de Niterói/ Petrópolis/
Volta Redonda e Nilópolis// Na cidade do Rio aconteceu no Centro/
Botafogo/ Flamengo/ Maracanã e Freguesia/ com bares lotados em todas as
noites//
Adriana Cabanelas para a Rádio UFRJ//
Boletim – esse eu já consegui de primeira. Ignore a imagem por favor

Depois veio o módulo de enquete e reportagem. Uma enquete é uma forma de pesquisa. Já a reportagem é um formato do gênero jornalístico caracterizado pelo aprofundamento sobre determinado tema. Como eu “tava bem loka” nesses módulos, fazendo mil coisas, acabei não entregando a parte pratica, apesar de ter feito uns rascunhos e gravações de ambos os programas.
Por último veio o formato de programa e a parte pratica foi gravar um programa ao vivo. A nossa habilidade de escrita e locução já estava muito melhor, então o pessoal escreveu várias partes do programa, gravamos as pílulas, e reportagens, tudo foi editado e depois gravamos o programa. Fui a apresentadora junto com o Jonatã. Ficou muito legal, ouviria esse programa na Radio UFRJ com certeza (me contrata UFRJ). Destaque para os comerciais criados pro programa, que estão hilários. Enfim, era isso que queria mostrar do curso.

Traz a média, programa matinal que criamos para o trabalho final do curso.

Mudando de assunto, de 5 a 8 de setembro teve o Camp Serapilheira 2019 e eu fiquei muito feliz de representar o Podcast Microbiando, apresentando o que fazemos de forma coletiva. Foi bom, mas várias vezes eu achei que tinha perdido o timing e tinha que encher linguiça, mas não, então tem vários “eeeeeee” de elaboração e enrolações que eram interrompidos pelo vídeo. Mas no fundo deu tudo certo e apresentamos nosso querido podcast para o público presente e quem estava assistindo ao vivo na internet. A minha fala começa no vídeo abaixo em 2h15 e termina em 2h27, mas todos os outros projetos estão muito legais, vale a pena ver tudo.

Camp Serrapilheira

No mesmo esquema de apresentações, o Mario Novelo, a Flavia Bruno e o Nelson Job me convidaram para dar uma palestra no simpósio A Miséria da Ciência sem Filosofia, dia 26 e 27 de setembro, cuja a motivação da organização foi uma época em que a filosofia (e as humanas em geral) estavam sobre um ataque de que não serviriam para nada. Eles me convidaram para falar de um tema que abrangesse filosofia e biologia e eu resolvi falar de evolução. Estava tudo certo, bonito, até que… na quinta feira anterior a palestra, tive uma intoxicação alimentar braba. Não consegui dormir a noite toda, não consegui comer pois nada parava no estômago e estava com claros sinais de desidratação. Mas como eu odeio deixar as pessoas na mão, lá fui eu fazer apresentação sem conseguir nem raciocinar. Eu engano bem e maquiagem ajuda também, mas o cérebro… Precisei ler a cola que fiz para pensar o que falar em cada slides, não consegui ler direito essa cola, falei devagar e não consegui sair da introdução pois acabou o tempo. Mas curiosamente quem assistiu gostou, e por isso vou botar aí pra vocês julgarem por vocês mesmos. Outro sinal que funcionou foi que, após a palestra, no intervalo, todo mundo queria conversar e fazer perguntas, o que sempre é um bom sinal após uma apresentação e eu tentando ser simpática enquanto tudo que eu queria era correr pro banheiro. #oversharing Só melhorei de fato na segunda-feira, caso alguém queira queira saber. Foi brabo.

A Miséria da Ciência sem Filosofia

E por último na segunda feira, ainda meio baqueada, a Angela Hampshire me convidou para dar uma aula de divulgação científica no curso de extensão que ela coordena. Foi bem legal, as pessoas não eram o público padrão desse tipo de aula e eu acabei focando mais em como falar sobre ciência com os amigos e familiares e não deixar que eles caiam em fake news. E fiz o Jaba básico no quadro da sala.

Eu escrevo de supetão, sem revisar, senão acabo desistindo de escrever, pois vou ficar relendo milhões de vezes até achar que está uma droga e jogar fora. Se você achar um erro de português, lógica, qualquer coisa, me avisa por favor!

Gostaram das apresentações desse ano. Quem sabe agora as pessoas se animam e me convidam pra fazer coisas ou desistem de vez e não me chamam para mais nada, rsrs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s